Arquivo

Archive for the ‘Estratégia’ Category

Variância – O quanto pode afectar o nosso jogo

Novembro 24, 2010 3 comentários

Todos nós somos afectados pela variância. Há momentos em que só levamos coolers/bad beats e momentos em que os resultados caiem drasticamente para o negativo enquanto a linha All-In EV se mantém positiva. Por outro lado também há os momentos em que tudo corre bem, sets over sets, draws a bater no river, AK a ganhar demasiadas vezes pré-flop e a nossa winrate dispara. Alguma parte dos jogadores tende a ver estas fases em que estão a runnar “hot” como a sua “verdadeira winrate”. Isto é algo que devemos evitar 🙂

À pouco tempo vi umas sessões de coaching na DeucesCracked feitas pelo threads13. Ele aborda vários aspectos da variância e mostra os extremos do que podemos esperar da sorte, ou falta dela.

Deixo aqui os exemplos principais para perceberem, até que ponto no poker, as coisas estão fora do nosso controlo.

  • Imaginemos o jogador “Jony SuperNova”

Este jogador através de um conjunto gigante de mãos determina que a sua winrate são 2 bigblinds por 100 mãos: 2bb/100 . Pelo seu estilo de jogo é possível determinar que o seu valor para Standard deviation ou desvio padrão é de 70bb/100, um valor comum a grande parte dos jogadores. Se cada um quiser ver  o seu respectivo S.D. basta ir ao Holdem Manager e seleccionar a coluna Standard deviation nos Reports.

Aqui ficam os resultados para este jogador para um conjunto de 100.000 mãos. Podem calcular estes valores através deste site de estatística: http://davidmlane.com/hyperstat/z_table.html

Para Winrate:2bb/100 ,S.D: 70 temos:

Média: 2000bb

18% das vezes tem resultados acima de 4000bb.  Duas vezes a sua winrate

7.2% das vezes tem resultados entre 1800 a 2200bb. Tem um resultado 10% acima ou abaixo de média

15% fica break-even. Tem resultados entre -500 a 500bb.

13% faz 500b negativos ou menos.

Traduzindo estes numeros de resultados de 100k hands para o que isso representaria num ano de jogo.

2.2 meses está “running hot” com o dobro da winrate (4000bb+)

1.4 meses breakeven (-500 a 500bb)

1.6 meses negativos com 500b negativos ou menos

6.8 meses com resultados positivos entre 500bb e 4000bb

Olhando para os resultados durante um ano podemos perceber que 30% do tempo o jogador ou está a runnar muito bem ou muito mal. Obviamente que isto pode distorcer a ideia de winrate que cada um tem do seu jogo.

Agora para um outro caso ainda mais extremo..

  • Imaginem o jogador “THE PRO”

Este jogador faz praticamente tudo perfeito, e destroi o stake onde joga. Faz table selection ideal, é tiltless e joga sempre no seu A-game! Vamos então supor que o seu winrate é de 8bb/100. Como este jogador é um pouco mais agressivo e opta por fazer algumas jogadas de EV positivo mas que implicam maior variância, vamos lhe atribuir um desvio padrão ou Standard deviation de 80 (um valor também bastante comum).

Vamos supor que este jogador também consegue fazer muitas mãos por mês e ao fim de um ano faz um total de um milhão de mãos. Isto sim parece que já é um conjunto de mãos interessante para “eliminar” a variância 🙂

Pela ferramenta que dei no link anter dá para calcular que para 1.000.000 mãos este jogador vai runnar 68%  das vezes dentro do intervalo de 10% da sua winrate ~ 80.000bb. Uma coisa a saber é que quanto maior for o winrate mais rapidamente os resultados convergem para o valor esperado.

Mas ao calcularmos o intervalo onde 99.7% dos resultados vão calhar obtemos resultados interessantes. Para isso subtrai-se 3x o desvio padrão para obter limite inferior e soma-se 3x o desvio padrão para o limite superior. Se a média é 80.000bb e o desvio padrão para 1.000.000 mãos é de 8000bb significa que:

O melhor caso é ele runnar “hot” e fazer 104.000bb o equivalente a 10.4bb/100

O pior caso é ele runnar terrivelmente e fazer 56.000bb equivalente a 5.6bb/100.

Se considerarmos que este jogador “THE PRO” é um jogador de $1/2 então isto significava que só devido a variância ele pode obter um resultado máximo de $208.000 ou então um resultado mínimo de “apenas” $112.000.

Se este jogador fizer 1.000.000 mãos num ano então isso significa que para as mesmas condiçoes pode fazer perto de $208k num ano ou entao $112k apenas devido a factores que não consegue controlar.

Estes resultados são um pouco… “assustadores”. Para o mesmo empenho, mesma dedicação, um jogador de No Limit Holdem de $1/2 que destrua os stakes com uma winrate de 8bb/100 pode esperar resultados completamente diferentes. É bom ter isso em conta quando se faz objectivos para o ano, e acima de tudo quando se analisa winrates para conjuntos de mãos pequenas.

Por isso quando se fala em long run… é mesmo loooooooong run!

Se isto é como a variância pode afectar um jogador de No Limit Holdem.. então imaginem em Pot Limit Omaha 😉

PS: A maior parte destes valores foram retirados da série de coaching “Tolerance” – Deucesrcracked.com

Anúncios
Categorias:Estratégia, Geral

O que é mais difícil no Poker?

Inicialmente tinha a ideia de conseguir fazer uma poll todos os meses. Com a falta de tempo para escrever percebi que fazer um questionário por mês era uma estimativa demasiado optimista 🙂
De qualquer maneira pretendo fazer mais polls assim que os temas forem surgindo. Depois da primeira poll onde deu para ficar com uma ideia dos stakes jogados pelos leitores do blog, este novo questionário vem mostrar o que cada jogador considera mais dificil neste jogo.

Primeiro que tudo quero agradecer a participação. Houve mais de cem respostas e cada leitor só podia escolher no máximo 3 opções.

Aqui fica o ranking definido pelos leitores sobre o que é mais dificil no poker e algumas sugestões em como abordar cada questão:

1º Conseguires encontrar as falhas específicas do teu jogo (24 votos)
– Este é um ponto essencial para qualquer jogador que queira compreender as suas limitações e saber o que tem a melhorar. O melhor a fazer para percebermos as nossas falhas é ter o nosso jogo “analisado” por outros jogadores. Sempre que possam peçam a um jogador mais experiente e que de preferência já tenha batido o stakes onde vocês jogam para vos ver jogar. Peçam ajuda na revisão de mãos e discutam cada passo da acção onde têm dúvidas. Tipicamente temos muito mais facilidade em compreender as falhas dos outros que as nossas… e no poker isto não é excepção.
Outro aspecto importante ao procurar ajuda para encontrar falhas no jogo é a pessoa a quem recorrem: idealmente a melhor opção é escolher um coach que esteja habituado ao processo de analisar e rever o jogo de outros jogadores e que consiga transmitir bem as ideias. Obviamente que o jogador a quem recorrem pode ajudar mesmo que não esteja habituado a fazer sessões de coaching, mas certifiquem-se que o jogador já bateu os stakes que jogam, e que compreenda bem o jogo quer na vertente prática quer na parte teórica. Nada pior do que mudar o que resulta e está a ser bem feito 🙂

2º Compreender o que tens de melhorar e adaptar para subires com sucesso para o próximo stake (16 votos)
– A subida de stakes pode ser das alturas mais complicadas para um jogador de poker. Muitas vezes ao subir de stakes não há informação sobre o estilo de jogo dos jogadores desse novo limite. Com o nível de agressividade a aumentar fica a ideia que todos os jogadores estão a fazer “moves” contra nós e que detectam facilmente que não pertencemos aquele stake.
A minha recomendação é que joguem tal e qual como estavam a jogar no limite anterior. Se resultava no limite anterior também resulta no próximo. Se acham que existe um ponto especifico do jogo que deve ser adaptado, então façam-no antes de subir de limites e “testem” o efeito dessa mudança nos stakes que dominam e estão confortaveis.
Para além dos critérios de bankroll o aspecto mais importante! na subida de stakes é sem dúvida a confiança que têm no vosso jogo. A melhor altura para subir de stake é quando estamos a destruir o stake anterior e estamos extremamente confiantes no que fazemos. Não recomendo de todo fazer a subida numa altura em que não se esteja “mentalmente” forte. Ter confiança no nosso jogo actual é o elemento mais importante para uma subida de stakes com sucesso.
Para além disso é nesta fase de mudança no poker que é mais importante ter acompanhamento de outros jogadores regulares que joguem em stakes iguais ou superiores.

3º Compreender conceitos de poker e aplicá-los enquanto jogas (15 votos)
Isto é o que considero a parte de estratégia do poker. Aqui ninguém tem desculpas, desde livros, videos e foruns de coaching… a informação está por todo o lado. Aqui é preciso dedicação e estudo! Há vários sites muito bons (Deuces Cracked, BlueFire, DragTheBar, CardRunners) com imensa informação. Se o problema é compreender conceitos de poker então acho que se deve esgotar estas fontes antes de se recorrer a um coach.

4º Conseguir parar quando se está a perder (13 votos), Não entrar em tilt por causa de bad beats (12 votos), Conseguir superar e ganhar confiança no teu jogo depois de um downswing forte (11 votos).
Estes são os aspectos psicológicos do poker. Há demasiadas coisas a dizer sobre a parte psicológica do poker e mesmo que quisesse não conseguia falar de todas aqui 🙂 Tentando resumir de uma forma muito simplista… devem sempre tentar separar a parte emocional do vosso jogo de poker. Sempre que jogam estejam totalmente focados no momento. Abordem sempre as decisões apenas com a parte racional e deixem as emoções para depois. Se não estão a conseguir gerir a parte emocional… parem o que estão a fazer e respirem fundo várias vezes e pensem no factor que vos está a destabilizar e aceitem-no. Quando isso não funciona só resta fazer uma pausa… se a pausa dura minutos, horas, dias ou semanas depende da situação e de cada um 🙂

Aspectos “menos” dificeis:
Gerir de forma segura a banca de poker
(7 votos)
Conseguir gerir a parte emocional relacionada com a quantidade de dinheiro que se perde numa sessão (3 votos)
Compreender e calcular as probabilidades associadas a uma decisão de poker (2 votos).
Apesar destes problemas terem menos votos não deixam de ser aspectos importantes.
Uma gestão de banca demasiado agressiva pode resultar num jogador “busto”.
Saber aceitar as perdas de uma sessão de poker “são ossos do ofício”… todos temos alturas que perdemos e quem julga o contário não está preparado para jogar poker.
Saber calcular probabilidades para um call correcto no poker é a difrença entre lucro ou perder muito $. Não dominar esta parte “teórica” do poker paga-se caro no longo prazo.

E termino aqui o resumo das respostas que deram ao questionário que esteve online no blog. Agradeço mais uma vez a participação de todos e se quiserem ver os resultados fica aqui o link. Espero em breve fazer uma nova poll e colocá-la online.

Mais uma vez… boa sorte nas mesas!

Categorias:Coaching, Estratégia, Geral

Ensinamentos de Bruce Lee – Psicologia do Poker

Agosto 25, 2010 3 comentários

Bruce Lee é considerado por muitos o melhor lutador de todos os tempos. Para além de mestre de luta em Jeet Kune Do , Bruce Lee também nos deixou ensinamentos e palavras sabias.

Estas palavras inspiradoras ensinam-nos a ser cada vez melhores e a derrotar os nossos adversários. E a parte boa é que têm uma incrível aplicação na parte psicológica do poker 🙂



Aqui ficam alguns dos ensinamentos de Bruce Lee:

Força Mental

1. Don’t fear failure.
2. Optimism is a faith that leads to success.
3. A good martial artist does not become tense but ready.

Tilt e Variância

1. Know the difference between a catastrophe and an inconvenience.
2. Like everyone else you want to learn the way to win, but never to accept the way to lose — to accept defeat. To learn to die is to be liberated from it.
3. The happiness that is derived from excitement is like a brilliant fire — soon it will go out.
4. A martial artist has to take responsibility for himself and face the consequences of his own doing.
5. Forget about winning and losing; forget about pride and pain.
6. Walk on.

Ajustar aos adversários

1. When the opponent expands I contract and when he contracts, I expand. And when there is an opportunity, “I” do not hit, “It” hits all by itself.
2. Let your opponent graze your skin and you smash into his flesh; let him smash into your flesh and you fracture his bones; let him fracture your bones and you take his life.
3. You can never invite the wind, but you must leave the window open.
4. Don’t get set into one form, adapt it and build your own, and let it grow, be like water.
5. Truth has no path.
6. Jeet Kune Do favors formlessness so that it can assume all forms and since Jeet Kune Do has no style, it can fit in with all styles. As a result, Jeet Kune Do utilizes all ways and is bound by none.

Aprender / Melhorar

1. Even today, I dare not say that I have reached a state of achievement. I’m still learning, for learning is boundless.
2. We have great work ahead of us, and it needs devotion and much, much energy.
3. Use only that which works, and take it from any place you can find it.
4. When you’re talking about fighting, as it is, with no rules, well then, baby you’d better train every part of your body!

Estas palavras podem ajudar a dominar a vertente psicológica do poker. A próxima vez que estiveres com dificuldades nas mesas podes sempre perguntar “O que é que o Bruce Lee faria?”:)

*Este post foi baseado numa entrada do blog do Ansky.

Boa sorte nas mesas ppl.

Categorias:Estratégia, Geral

Noções Pré-flop

Junho 21, 2010 7 comentários

Tinha a ideia de fazer um post com algumas mãos jogadas, com spots dificeis para serem analisados.

Mas quando comecei a analisar a parte pré-flop da primeira mão vi que já havia muita coisa a considerar. Deixo então as mãos para outro post e este fica só sobre jogo pré-flop.

Fica uma “framework” básica para avaliar a parte pré-flop de mãos quando se está a analisar sessões jogadas.

Que reads tens do oponente ?

  1. Para quem usa Holdem Manager ou Poker Tracker, utiliza a estatística apresentada no HUD para teres o máximo de informação sobre o villain.
  2. Que observações ou notas tens sobre esse jogador? Qual o meta-game que existe com esse jogador?  Ele perdeu vários pots grandes nas ultimas mãos? existe alguma dinãmica específica entre ti e esse jogador? ele tem tendência de fazer hero calls? costuma bluffar rivers quando falha draws?
  3. Idealmente tenta rever estas informações quando entras numa nova mesa para teres uma ideia do estilo de jogo de cada jogador.

Define o range pre-flop de mãos desse jogador:

  1. Utiliza toda a informação que tiveres disponível no HUD sobre o jogador. Algumas dos valores a ver são VPIP (voluntary put money in pot) – PFR (pre-flop raise) – 3bet (range de mãos que faz re-raise pré-flop), fold vs 3bet.
  2. Ele alarga o seu range de mãos consoante a posição? Ou a acção pré-flop dele apenas se baseia na força da sua mão e não na posição?
  3. Outras coisas a considerar: ele reconhece que o tentas isolar e jogar em posição? ele está a tentar jogar pots em posição com os jogadores mais fracos? ele tem noções do valor da mão e equity pre-flop?

Para um próximo post continuo com post-flop e faço a ligação com estas noções.

Agora já fica tarde e tenho poucas horas de sono até ao jogo de Portugal 🙂 Cya

Categorias:Coaching, Estratégia, Geral